menu
Logo


   Em um mundo saturado pela oferta de tecnologia, ensinar a pensar é um dos maiores desafios da educação. Na universidade, aqueles que não foram estimulados no ensino formal, precisam de um esforço a mais para se destacar entre aqueles que com pensamento crítico conseguem mudar o mundo. Os cursos que se dedicam a área de Humanas tem então papel fundamental. Uma preocupação da Unoeste, que dedica seu empenho nesta área desde sua fundação, em 1972, com a oferta do curso de Pedagogia. Hoje são 30 cursos oferecidos na instituição só para essa área do conhecimento. No total, eles já colocaram no mercado de trabalho mais de 56 mil profissionais. A Pedagogia, por sua vez, foi a que mais formou, foram mais de 13 mil pedagogos que ocupam as cadeiras de escolas e faculdades Brasil afora.

   Esta reportagem trouxe à tona a história deste curso, que leva esperança para uma educação de ponta e que de fato consiga contribuir para o ensino no país.

O mercado é de quem aprende a pensar




 

Desafio diário. Assim é o trabalho daqueles que dedicam seu tempo a multiplicar a mais importante das profissões: a de professor. Tudo nasce do curso de Pedagogia, que prepara estudantes universitários a estarem à frente de alunos de todas as idades e fazer com que o conhecimento nunca seja estagnado. Com isso é possível compreender tamanha importância deste curso e é fácil perceber que toda e qualquer profissão nasce de um professor.


Um engenheiro, um médico, um analista de sistemas, nada seriam se antes não tivessem estado em uma sala de aula, com um professor capacitado para concluir suas formações. E esse professor nada seria se a princípio não tivesse aprendido com outro professor como ter competência para formar pessoas. É um ciclo que não tem fim. O professor ensina ao professor que formará profissionais de sucesso.


O sonho começa na sala de aula. A Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) foi a pioneira, em âmbito particular, na realização desse sonho em Presidente Prudente (SP). Foi em 1972, com o curso de Pedagogia que a instituição ingressou na formação de professores. Isso só foi possível pela garra e determinação de Agripino de Oliveira Lima e sua esposa, Ana Maia Cardoso de Oliveira Lima, que lutaram e enfrentaram juntos tudo para tornar o curso realidade.


Pela própria característica de formação, a Pedagogia veio primeiro e é considerada uma matriz geradora de didática e metodologia, ou seja, orienta como ensinar em sala de aula. A atual coordenadora pedagógica institucional e também coordenadora da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Unoeste, Aparecida Darcy Alessi Delfim, acompanha a instituição desde o nascimento e afirma ter sido um trabalhoso desenvolvimento, mas que a universidade conseguiu atingir seus principais objetivos planejados desde o começo. Além disso, Darcy integrou a primeira turma de professores do curso de Pedagogia.


“O Governo estava começando a exigir que os professores obtivessem formação de ensino superior, pois os professores eram formados até o ensino médio e davam aula. Para serem diretores faziam cursos de administradores. Não tínhamos pessoal formado em nível superior e para formar tinha que sair de Prudente. Então a primeira intenção foi prover as escolas de Prudente e região, e do próprio país, de profissionais qualificados de nível superior. A intenção foi a formação de professores e aí veio a Pedagogia”, lembra Darcy.


A Unoeste tem um papel fundamental na formação de profissionais da educação. Seu diferencial foi sempre atuar frente aos objetivos da educação básica. Trabalhar o profissional procurando atender às escolas. Desenvolver os aspectos teóricos e principalmente os práticos. “Sempre procuramos formar os professores com competência para ministrar aulas nas escolas e formar outros alunos”, salienta Darcy.


Oito professores completavam a equipe de docentes que formou a primeira turma de Pedagogia da Unoeste. Darcy conta que foi uma experiência incrível e maravilhosa a sua primeira aula, para sua turma como professora da disciplina de Psicologia Educacional. “Imagina ver essa instituição começar com apenas três blocos e com muita luta ter esse crescimento gigantesco? Não dá para explicar”, relata. A coordenadora foi escolhida como paraninfa da turma, que formou 79 alunos em 1973.


Créditos


Repórter: Aline Costa

Foto principal: Nana Siqueira


* números referentes até o 2º semestre de 2016.



Cedida/Darcy Alessi




De lá para cá muitas coisas mudaram e o ensino só ficou melhor. A cidade foi crescendo e com isso as oportunidades e os sonhos. A formação de professores continua. Quem comprova isso é a aluna do 8º termo de Pedagogia, Meirielen Santos Lima, de 19 anos.


“O corpo docente do curso com professores mediadores são capazes de transmitirem para nós, discentes, um ensino-aprendizagem de qualidade através da teoria. Uma das formas que temos de colocar esta teoria em prática é com o estágio supervisionado, disciplina da matriz curricular, que nos permite a escolha de escolas para a vivência dos diferentes níveis de escolaridade como a Educação Infantil, Ensinos Fundamental e Médio, ou na área da Gestão, experiências que mostram de fato como é a realidade no ambiente escolar”, enfatiza a jovem.


Quando decidiu cursar Pedagogia, Meirielen passou por uma seletiva de universidades e faculdades, buscando uma que teria a certeza que sua formação seria feita com excelência. “Escolhi a Unoeste por saber que é uma universidade com muitas qualidades, onde apresenta notas máximas no Enade/MEC em diversos cursos, contando com professores bem formados”, frisa.


Desde a sua fundação, a Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente, a Faclepp, da Unoeste, impõe uma pedagogia fundada na ética, no respeito à dignidade e à própria autonomia do educando, contrariando os princípios da educação “bancária”, conforme informações da Revista Comemorativa de 35 anos da Unoeste. Ela busca a preparação de docentes capazes de orientar crianças e adolescentes para serem sujeitos dos seus próprios processos. Isso implica também em um desenvolvimento mais profundo com os alunos, solidarizando-se com seus problemas, ajudando-os com questões que fogem dos conteúdos programáticos.


O curso


De 1972 até o primeiro semestre de 2016, o curso de Pedagogia já formou quase 15 mil alunos. É a graduação com o maior número de formados da Unoeste. A primeira aula ocorreu no dia 16 de outubro de 1972. A formação era concluída após três anos de estudos. Hoje, a graduação conta com 32 professores, que se dividem entre os oito termos e a formação é concluída em quatro anos.


Cerca de 450 alunos buscam nas salas de aula da instituição a formação no curso de Pedagogia.


O que mais chama atenção neste curso é a capacitação que o discente adquire para exercer a profissão em escolas. Porém, não somente isso, pois hoje existe a opção de ficar em sala de aula ou não. A Pedagogia também está presente em instituições, hospitais e empresas. E mesmo sendo uma profissão com pouco reconhecimento, as pessoas não deixam de sonhar com um país melhor através da educação e continuam estudando.


Aline Costa
Aluna Meirielen
“Escolhi a Unoeste por saber que é uma universidade com muitas qualidades”, enfatiza Meirielen

Formada pela primeira turma em Pedagogia da Unoeste, Cinéia Ferreira agora ministra aulas de catequese, mas continua acreditando que o futuro depende dos professores e que a base desses profissionais é o curso de Pedagogia.


“Quando me formei já estava com 42 anos, pois a dificuldade de ir até outra cidade para estudar nos impedia de concluir o ensino superior mais cedo. Hoje tenho 84 anos e ainda dou aulas, mas agora em catequeses. Na universidade aprendíamos muitas técnicas, devido a isso a diferença era visível quando ministrava minhas aulas nas escolas. Pois antes da formação eu já era professora, mas apenas com os cursos oferecidos na época. Depois da minha formação muita coisa ficou diferente e meu discernimento era muito mais amplo. A educação melhora tudo e o curso de Pedagogia da Unoeste veio para provar isso”, conclui a ex-aluna.


À comunidade

Cedida/Cineia
Aluna Cinéia
Cineia Ferreira se formou em Pedagogia na primeira turma do curso




Cedida/Unoeste
Sala de Leitura
O projeto Sala de Leitura é uma parceria entre os cursos de Pedagogia e Artes Visuais



A Pedagogia, junto aos cursos de Artes Visuais e Medicina Veterinária trabalha em prol da comunidade com o projeto Trote do Bem – Castração é a Solução.


O projeto, conforme o professor Josué Pantaleão, tem a finalidade de gerar uma socialização entre os calouros da Unoeste, desenvolvido dentro do Trote do Bem junto com a comunidade local da Morada do Sol em Presidente Prudente, através do desenvolvimento das ações aplicadas por diversos cursos, cada um na sua respectiva área. “A Unoeste preza pelo bom desenvolvimento de projetos sociais integrando a comunidade”, relata.


O curso de Pedagogia fica responsável em incentivar as crianças do local a ler e desenvolver diferentes atividades que estimulem a leitura. O curso de Artes Visuais desenvolve atividades voltadas para a reutilização de produtos recicláveis e o curso de Medicina Veterinária trabalha com o mapeamento e cadastro dos animais existentes no bairro para futura realização de castração.


A Faclepp



Não somente a Pedagogia, mas os cursos de Letras e Estudos Sociais também deram início na Unoeste juntos. Todos integrantes da área de Humanas, Ciências Biológicas e da Saúde; Exatas e Informática; Linguística, Letras e Artes. Além dos cursos pioneiros, a área de conhecimento, que se concentra na Faculdade de Ciências, Letras e Educação (Faclepp), da Unoeste é responsável por 14 cursos de graduações.


No 1° vestibular foram ofertados 360 vagas para 536 candidatos, conforme o site da instituição. Hoje, a Faclepp possui 11 licenciaturas e três bacharelados. Ainda de acordo com informações do site, a infraestrutura é um dos destaques da faculdade. Desde os primeiros anos até os dias atuais são mantidos grandes investimentos em recursos tecnológicos. Todos os dias, a Faclepp contribui para a construção de uma universidade repleta de cultura, arte e, acima de tudo, de constante saber.


Há 22 anos na instituição, Alba Arana atuou por seis como diretora da Faclepp. Desafio, é assim que ela define o seu trabalho. “Antes de tudo foi um desafio. Trabalhei com um número muito grande de professores, em torno de 130 docentes. Hoje, são cerca de 1.500 alunos, somando todos os cursos. Foi um desafio porque eu tinha um grupo muito grande para trabalhar e precisava saber administrar diferentes âmbitos. É algo muito bom, principalmente pelas inúmeras possibilidades de exercermos nossas ideias”, conta.


Do total de professores da Faclepp, 49,5% são mestres e 35% são doutores. Nos mais de 40 anos de atividades, 33.800 profissionais foram graduados pela faculdade, quase metade dos egressos de toda a universidade, de acordo com o site.


 

Alba

Alba Arana
docente da Unoeste e ex-diretora da Faclepp



 

Em relação à área de humanas, Alba acredita que essa é a área que discute a base de relações da sociedade. “É fundamental para entender como se dá o conhecimento dentro da história. É fundamental para todas as áreas do conhecimento. A parte humana dá uma sustentação para a gente entender as relações. Todas as áreas são importantes, mas humanas dá um suporte para as relações”, pontua.


O sucesso da Unoeste caminha lado a lado com a história da Faclepp.


 



Logo Unoeste

Todos os direitos reservados © 2016